Segurança

Entenda o crescimento da tendência de cartões co-branded e private label no Brasil

Um cartão híbrido ou co-branded, de acordo com definição do BC (Banco Central), tem função de crédito, em parceria com uma entidade comerciante. O portador recebe um limite do banco emissor, para uso em estabelecimentos credenciados para aceitar a bandeira, além de um limite concedido pelo parceiro, para uso apenas nos seus estabelecimentos. O objetivo é fidelizar o portador pela afinidade com a marca. Já os cartões do tipo private label, ou cartão de loja, são emitidos por empresas exclusivamente para a aquisição de seus próprios bens ou serviços.

De acordo com os dados mais recentes da ABECs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços), os cartões private label cresceram de 2010 (225.347 emitidos) a 2012 (258.928). Marco Antonio José, sócio diretor da Infocards, afirma que “principalmente após o agravamento da situação econômica do Brasil, verificamos um considerável aumento da demanda pelo produto, especialmente por empresas do varejo alimentar”.

As vantagens para consumidores, explica Marco Antonio, são a maior facilidade na obtenção de crédito e a menor exigência do que instituições financeiras. Além disso, o portador se sente “mais à vontade”, por ser um local conhecido, que já costuma frequentar. Para empresas, o produto gera fidelidade do consumidor e, consequentemente, eleva o faturamento, pois concede crédito para utilização exclusiva em sua rede. O negócio cartão private gera novas receitas financeiras, “normalmente muito superiores à inadimplência da operação de crédito, além de permitir a formação de uma importante carteira de Contas a Receber, que tem grande valor para o mercado financeiro”, analisa o especialista.

Desde o ano passado, a agência de viagens CVC começou a parcelar suas viagens em até 12 vezes sem juros, exclusivamente para consumidores que aderirem ao Cartão de Crédito CVC & Bradesco (do tipo co-branded), em operação em 100% das 1.041 lojas franqueadas da operadora. A empresa continua a parcelar viagens em até 10 vezes sem juros no boleto ou em outros cartões. Além do aumento no número de parcelas, o cliente acumula pontos para trocar por viagens futuras e tem anuidade gratuita caso utilize o cartão somente nas compras de viagens na CVC. No primeiro ano, o cliente não paga anuidade. No segundo ano, a anuidade é a metade do valor de uma anuidade normal de um cartão de crédito, de acordo com a agência.

Desde o lançamento, 64 mil clientes aderiram ao cartão CVC & Bradesco, um número ainda embrionário diante do número de clientes que viajam com a agência, aproximadamente 4 milhões de passageiros por ano. Por outro lado, de março a novembro do ano passado, 18 mil clientes possuíam o cartão e, depois de 9 meses, esse número quase quadruplicou, por isso a companhia vê a tendência como muito promissora.

respostas sobre fintechs

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (No Ratings Yet)
Loading...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *